Índios ocupam a sede da Funai em Itanhaém – Após muita discussão, indígenas chegaram a um acordo com a entidade

Índios de várias aldeias participaram da ocupação pela demarcação de terras, na sede da Funai, em Itanhaém

Mais de 100 índios, representantes de várias etnias do litoral de São Paulo, ocuparam a sede da Coordenadoria Regional da Fundação Nacional do Índio – Funai Litoral Sudeste, em Itanhaém, para reivindicar, de maneira pacífica, a demarcação de terras nas aldeias indígenas Renascer, de Ubatuba, no litoral Norte, e de Paranapuã, em São Vicente.

Eles chegaram à sede da Funai na noite de quinta-feira (28). Na tarde de sexta-feira (29), aconteceu uma reunião entre os representantes da Funai e uma comissão dos indígenas, e, após mais de cinco horas de discussão chegaram a um acordo. A Polícia Federal esteve no local para garantir a segurança.

Para o cacique Antonio da Silva Awa, da Aldeia Tupi-Guarani Renascer, de Ubatuba, o resultado da reunião foi positivo. “Após uma longa discussão chegamos a um acordo. Os representantes da Coordenadoria Regional da Funai fizeram contato com a Presidência da Funai, em Brasília. Eles garantiram que, no período de 30 dias, haverá um posicionamento da entidade sobre a reivindicação dos índios quanto à demarcação das terras indígenas”, esclareceu o cacique.

O cacique afirmou ainda que somente no Estado de São Paulo existem 74 aldeias indígenas que estão em busca pela demarcação das terras. “Temos que nos unir e apoiar todas as lutas dos povos indígenas para garantir o direito de ocupação de nossas áreas”, salientou.

Segundo o cacique, a aldeia Renascer, em Ubatuba, possui, hoje, 85 famílias que vivem do plantio de palmito pupunha, da mandioca e também da venda do artesanato. A aldeia, que possui uma área de 2.500 hectares, também conta com uma escola e um posto de saúde.

Na opinião do índio Cristiano Awa, também da aldeia Renascer, a ocupação teve o objetivo de reivindicar junto à Funai para que o Governo Federal assine uma portaria e regularize a demarcação das terras indígenas Renascer e Paranapuã. “As duas terras estão ameaçadas devido à ação de reintegração de posse e também pelo Governo do Estado, porque estão dentro de uma área de preservação, além de outras aldeias que se encontram na mesma situação no Estado de São Paulo”, completou Cristiano.

De acordo com a Coordenadoria Regional da Funai, em Itanhaém, a entidade procurou apenas colaborar com a intermediação entre os índios e a Presidência da Funai, em Brasília, que é a responsável em dar um posicionamento final aos índios.

Doações – Integrantes da Sociedade de Apoio à Causa Indígena (Saci) estiveram na sede da Funai, em Itanhaém, e colaboraram com a doação de cobertores, alimentos e frutas para garantir às famílias indígenas melhores condições de alojamento e de alimentação nesses dias.

A Saci e o cacique Antonio Awa, da Aldeia Renascer, agradeceram a colaboração de todos moradores e entidades de Itanhaém pelas doações feitas aos indígenas durante a ocupação nos dois dias na sede da Fundação.

Nayara Martins
Secretária de Comunicação SACI

Updated: 02/10/2017 — 10:55 pm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

SACI - Sociedade de Apoio à Causa Indígena © 2018 - Desenvolvido por: Francesco Antonio Picciolo - Hard Design Web Frontier Theme